Ernane Primazzi diz estar satisfeito com a construção do novo prédio que abrigara o Hospital Regional do Litoral Norte em Caraguatatuba

A unidade será inteiramente nova, como acordado com o Estado, ao contrário da intenção anterior, de transformar a Santa Casa Stella Maris em unidade regional”, destacou o prefeito

A unidade será inteiramente nova, como acordado com o Estado, ao contrário da intenção anterior, de transformar a Santa Casa Stella Maris em unidade regional”, destacou o prefeito

O prefeito de São Sebastião Ernane Primazzi, (PSC), declarou na noite desta quinta feira (13) estar satisfeito com a garantia de construção de um prédio novo para abrigar o Hospital Regional do Litoral Norte.

“Concordamos com a construção em Caraguatatuba, desde que fosse em um prédio novo, e um novo local, nos contrapondo à intenção sustentada naquele momento, de transformar a Casa de Saúde Stella Maris em hospital regional, o que nos privaria de um equipamento de saúde. Dessa opção sempre fomos contra e hoje temos que comemorar a futura vinda do regional, mas também cobrar o que o Estado prometeu, quando cedemos a localização para Caraguá: a construção de um Centro de Reabilitação Lucy Montoro em São Sebastião, um CAPS em Ilhabela e apoio financeiro para a Santa Casa de Ubatuba”, reiterou o prefeito.

A decisão de sediar o hospital regional em Caraguatatuba foi obtida após quase dois anos de discussões, mudando a localização, originalmente reivindicada para São Sebastião, num encontro que durou mais de duas horas, reunindo o secretário estadual da Saúde na época, Giovanni Guido, o secretário estadual de Desenvolvimento Metropolitano, Edmur Mesquita, os prefeitos Ernane Primazzi, de São Sebastião,  Antônio Colluci, de Ilhabela, e Mauricio Morimizato de Ubatuba, e o vice prefeito de Caraguatatuba, Antônio Carlos Junior.

O governo do Estado anunciou então que o litoral norte ganharia um Hospital Regional todo novo, a ser construído em Caraguatatuba; a cidade de São Sebastião um Centro de Reabilitação da Rede Lucy Montoro, que atenderá todo o litoral norte na reabilitação física e fornecimento de órteses e próteses para deficientes físicos; Ilhabela uma unidade do Centro de Atendimento Psicossocial – CAPS; e Ubatuba um aporte financeiro para ser aplicado na Santa Casa da cidade.

Agora, com a autorização para a doação de terreno municipal para a construção do Hospital Regional, pela Câmara Municipal de Caraguatatuba, o processo tem andamento.

Para Primazzi, o resultado foi melhor do que o esperado. Ele ressaltou que acabou abrindo mão do local da construção do hospital regional (São Sebastião ofereceu um terreno à beira da rodovia SP-55) desde que se garantisse que a solução não fosse a transformação da Santa Casa Stella Maris em ‘hospital de porta fechada’.  “Essa seria a pior solução não só para o Litoral Norte, mas principalmente para Caraguatatuba. Lá tem um hospital e como todos os outros, passa por alguma crise. Não era justo acabar com todo o trabalho das irmãs e, além de tudo: onde passaria a ser atendida a população daquela cidade?”, questionou.

Ainda de acordo com Primazzi,  nos últimos meses as despesas do hospital de São Sebastião praticamente dobraram em função do atendimento de pacientes de Caraguatatuba. O prefeito avalia ainda que tecnicamente, para atender a população do Litoral Norte, uma distância de poucos quilômetros, entre os terrenos previstos para esse fim em São Sebastião, ou na cidade vizinha, não há grande diferença.

Com a decisão anunciada na reunião com os secretários de Saúde e de Desenvolvimento Metropolitano do Estado, o prefeito destaca que, além do hospital regional, o Litoral Norte ganhou também um centro de reabilitação regional. “Foi um ganho fantástico, adquirido com o esforço incansável dos prefeitos de Ilhabela e de Ubatuba”, finalizou.

A Rede Lucy Montoro

A Rede de Reabilitação Lucy Montoro foi criada pelo Decreto 52973/08, regulamentada pelo Decreto 33739/10 e alterada pelo Decreto 58050/12, pelo Governo do Estado de São Paulo, por meio das Secretarias de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência e da Saúde, em parceria com renomadas instituições de assistência, ensino e pesquisa. O objetivo principal é propiciar melhoria na qualidade de vida, participação na sociedade e capacitar plenamente a pessoa com deficiência para o exercício de seus direitos.

Em uma primeira fase, a Rede de Reabilitação Lucy Montoro é composta por 18 unidades fixas e uma Unidade Móvel, construídas em regiões estratégicas do Estado de São Paulo. Essas unidades, quando totalmente implantadas, terão capacidade de aproximadamente 300 mil atendimentos por mês.

O atendimento é realizado por equipe multiprofissional de especialistas em reabilitação, composta por:

Médicos Fisiatras

Psicólogos

Enfermeiros

Assistentes Sociais

Fisioterapeutas

Terapeutas Ocupacionais

Educadores Físicos

Nutricionistas

Fonoaudiólogos

Odontólogos

Médicos consultores nas áreas de Cardiologia, Urologia, Reumatologia e Ortopedia.

O foco é o público com lesão medular, amputação e má-formação, lesões encefálicas do adulto, paralisia cerebral e dor incapacitante, contando com protocolos e técnicas próprias, bem como tecnologias e equipamentos inéditos no Brasil.

A Unidade Móvel da Rede de Reabilitação Lucy Montoro é uma carreta com 15m de comprimento, 2,60m de largura e 20 toneladas. Possui elevador hidráulico e banheiro totalmente adaptados às necessidades da pessoa com deficiência, além de consultório médico, sala de espera e oficina ortopédica com sala de prova. Seu principal objetivo é atender as regiões do Estado de São Paulo onde não há fornecimento de órteses, próteses e meios auxiliares de locomoção.

(VM)

Foto: Vera Mariano/PMSS

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*

Protected by WP Anti Spam